Caroline de Moura Bueno

 Em Outubro começa a campanha contra o câncer de mama e colo de útero que chamamos de Outubro Rosa, um movimento que ocorre em todo o mundo e tem por objetivo conscientizar sobre a importância da prevenção e do diagnóstico precoce do câncer de mama e colo de útero.

Sabemos que o câncer de mama é mais comum em mulheres e no mundo todo a três minutos uma mulher é diagnosticada com câncer de mama. Após os 35 anos a incidência aumenta e o Instituto Nacional de Câncer estima que há 57.960 novos casos no ano de 2017.  O câncer de mama pode ser prevenido com diferentes práticas, mas uma delas vem sendo amplamente pesquisada e divulgada: a amamentação.

Para entender essa lógica precisamos primeiro entender o que é o câncer de mama: um tumor maligno que se desenvolve nas células da mama, e normalmente se desenvolve nos lóbulos ou ductos, e mais raramente no tecido fibroso ou gorduroso da mama. Com o tempo, as células cancerígenas invadem os tecidos subjacentes próximos, e alcança os linfonodos, podendo então ganhar a circulação e outros órgãos à distância. Cerca 5 a 10% dos cânceres de mama estão ligados a mutações genéticas herdadas. Os outros 85% dos cânceres de mama ocorrem em mulheres sem história familiar de câncer, decorrentes de mutações secundárias ao envelhecimento ao longo da vida e não de mutações herdadas.

Contudo, existem algumas medidas que podemos tomar para diminuir os ricos para desenvolver câncer de mama, tais como ter uma vida saudável, ter uma dieta balanceada, não fumar, consumir álcool com moderação, exercitar-se regularmente. Um dos impactos que tem sido estudados no câncer de mama é a influência da amamentação e o seu impacto no risco de desenvolver câncer. A amamentação pode diminuir o risco do câncer de mama, que é proporcional ao tempo de amamentação. Isso significa que quanto mais tempo a mãe amamenta, maior a proteção relacionada à amamentação! O leite produzido 24h por dia limita as células da mama de se multiplicaram de forma inadequada.

Outro fator determinante é que a maioria das mulheres tendem ter uma alimentação mais saudável e um estilo de vida mais saudável, como não fumar ou ingerir álcool enquanto amamentam. Além da proteção à saúde, a amamentação fornece inúmeros benefícios para a saúde do bebê, além da importante formação do vínculo entre mamãe e bebê. Alguns estudos observaram que mulheres diagnosticadas com câncer de mama e que amamentam em algum momento da vida têm um risco menor de recorrência do câncer.

As mulheres que amamentaram em algum momento da vida tiveram 30% menos risco de recorrência do câncer e 28% menos risco de morrer de câncer de mama comparado com mulheres que nunca amamentaram. Os benefícios são ainda maiores para mães que amamentaram por mais de 6 meses.

Os benefícios da amamentação vão além da prevenção do câncer, trazem à tona questões sobre o empoderamento materno e da mulher, que vem sendo amplamente discutido pelas mulheres, a sensação e o poder de conseguir realizar algo para si e para o próximo.  Não há dúvidas que a amamentação pode ser um grande desafio, mas é, definitivamente, a melhor opção para díade. Além da possibilidade de reduzir riscos para saúde da mulher, como o câncer de mama, também está relacionado diretamente com a saúde do bebê, presente e futura. O leite materno protege contra doenças infecciosas, alergias e doenças auto-imunes, além do estímulo para o desenvolvimento neuropsicomotor.

Após um diagnóstico de câncer de mama, a amamentação pode ser um desafio. Se a cirurgia for uma mastectomia bilateral, infelizmente é impossível amamentar. Mas, se a cirurgia foi parcial, pode haver diminuição na produção de leite, mas o outro lado pode produzir leite normalmente.

 Lembre-se: amamentação é muito mais do que conseguir leite suficiente para alimentar o seu bebê, é carinho, amor e proteção! Para você e seu bebê. Se você tem o desejo de amamentar, procure ajuda especializada. Você não está sozinha nisso!

 A equipe da Pediatria de Telêmaco Borba está nessa luta junto com você e  apoia o Aleitamento Materno!

 

 

 

Faça seu comentário!

Ação Organização

Vacinômetro

Agenda Vacinas

 

 

Boletim COVID-19